CRIAÇÃO DO TRF-6

No dia 19 de agosto de 2022, o Tribunal Regional Federal da 6ª região foi instalado em Belo Horizonte, quando também foram empossados os novos desembargadores federais de sua primeira composição. Esta é a primeira corte de Justiça brasileira a ser inaugurada no Século XXI.

O TRF-6 iniciou suas atividades visando melhorar os esforços do Poder Judiciários para conseguir distribuir justiça rápida e eficiente para a sociedade, mesmo frente à elevada judicialização de conflitos.

Siga conosco para entender mais essa descentralização da justiça federal.

DESCENTRALIZAÇÃO DA JUSTIÇA FEDERAL

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região estava sobrecarregado de processos, tendo em vista ter a maior área de jurisdição: 14 unidades da federação e quase metade dos municípios brasileiros, correspondendo, no total, à 80% do território brasileiro.

Em 2020, o Relatório Justiça em Números, mostrou que o TRF-1 apresentava carga de trabalho na segunda instância equivalente a quase o dobro da média da Justiça Federal. Assim, foi proposto o desmembramento da 1ª Região criando-se o TRF-6.

Em agosto de 2020, o STJ apresentou um projeto de lei para a criação do novo tribunal que foi aprovado pela Câmara dos Deputados.

Já em setembro do ano seguinte, o Senado Federal aprovou o projeto de lei e, no mês seguinte, houve a sanção presidencial. De acordo com a Lei 14.226/2021, a corte será composta por 18 desembargadores federais, com vagas provenientes da transformação de 20 cargos vagos de juiz federal substituto do TRF-1.

Uma das cadeiras do TRF-6 foi ocupada pela desembargadora federal Mônica Sifuentes, a única integrante do TRF-1 que optou pela remoção para o novo tribunal. As demais serão destinadas a 13 juízes de carreira da justiça Federal (sete promovidos por antiguidade e seis promovidos por merecimento), dois advogados e dois membros do Ministério Público Federal.

Para a escolha dos seis juízes promovidos por merecimento, os dois membros da OAB e os dois membros do MPF são criadas listas de indicados, enviadas ao presidente da república. Em 9 de agosto deste ano, o Pleno do STJ formou essas listas de indicados e o presidente Jair Bolsonaro fez as nomeações em menos de uma semana depois.

Para o ministro Humberto Martins, a instauração do TRF-6 é uma sólida demonstração de compromisso dos ministros do Tribunal da Cidadania com uma gestão participativa e agregadora, que busca soluções para grandes questões nacionais.

CONCLUSÃO

A criação do TRF-6 veio para agilizar e tornar mais efetiva a judicialização no âmbito federal, desafogando o judiciário aumentando a eficácia.

Esse artigo foi sugerido pelo leitor, estudante de direito, Nando Pereira. Quer saber mais sobre algum caso ou assunto? Deixe sua sugestão!

Você também pode deixar uma avaliação no Google, dizendo o que achou do artigo.

D. Ribeiro é Advogado Criminal na Capital – SP – Brasil, e possui também um canal no Youtube chamado Notícias do Ribeiro, para falar direto comigo basta clicar aqui 👉 https://wa.me/5511954771873

Categorias:

1 Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s